terça-feira, 16 de junho de 2020

Liceu Coração de Jesus

Alameda Dino Bueno, 285 Campos Elísios



1881, lançamento da pedra fundamental.
1884 Inauguração da Capela

Fundado em 1885, por São João Bosco, ou "Dom Bosco", como é mais conhecido, com o auxílio de Dona Isabel, princesa imperial do Brasil, com o nome de "Liceu de Artes, Ofícios e Comércio".

Criado para atender o aprimoramento dos jovens de baixa renda promovendo a educação, o esporte e principalmente a religião, Inicialmente, o Liceu teve como primeiros alunos os filhos de escravos libertos e de imigrantes italianos, oferecendo ensino gratuito em oficinas profissionalizantes de sapataria e alfaiataria. 

Posteriormente, inaugurou o internato, acolhendo os filhos de cafeicultores.

Na  Revolta Paulista de 1924assim como a Revolução Constitucionalista, trouxe transtornos para o colégio que sofreu com tiros e balas de canhões, durante o bombardeio ao Palácio dos Campos Elísios que ocorreu no dia cinco de julho desse mesmo ano.

Por muito tempo encontrava-se em seu entorno postes públicos com marcas de balas, e nos portões do Santuário sagrado Coração de Jesus.

Em julho de 1924, balas de canhão caíram na tipografia do Liceu e feriram o braço de um aluno. 

“Ás 7.30 da manhã do dia 5 de julho eu no meu escriptorio passando os olhos pelos jornaes do dia. De repente entra-me pela porta o P.C.F., todo agitado:
-Dizem que arrebentou uma revolução…
-Revolução em S. Paulo?! Não é possível.
-Algumas pessoas, vindas de Sant’Anna afirmam que..
-São boatos. Na peior hypoteses, trata-se-á do levante de algum batalhão, ou uma greve; isso passa em poucas horas.”
(Trecho do livro “Férias de Julho – Aspectos da Revolução Militar de 1924 ao redor do Lyceu Salesiano de São Paulo”)
 .texto retirado do site: https://www.salesianos.com.br

O diretor do colégio na época, Padre Luiz Marcigaglia, fez a promessa de construir a uma igreja dedicada a Santa Teresinha caso nenhum aluno viesse a óbito ou tivesse lesões graves. 

Como o pedido foi atendido, em 1926, os salesianos construíram a igreja Santa Teresinha em agradecimento e posteriormente o Colégio Salesiano Santa Teresinha. 

Toda a trajetória dos terríveis dias de julho de 1924 pode ser consultada no livro Férias de Julho de Luiz Marcigaglia.

O Liceu Coração de Jesus foi a primeira instituição de ensino paulistana a oferecer um curso de ensino médio noturno, instituiu cursos técnicos e cursos superiores. 

Apenas em meados dos anos 1970 é que o Liceu deixou de ser uma instituição exclusivamente masculina.

O Liceu já chegou a contar com três mil alunos e ser referência no ensino fundamental e médio.

Para promover excursões e outras experiências extracurriculares com seus alunos, o Liceu adquiriu, em 1919, uma chácara no alto de Sant'Ana. Lá, em 1924, é construído um Oratório Festivo. 
Três anos mais tarde, os salesianos inauguraram nessa chácara a Igreja Votiva de Santa Teresinha, como agradecimento à proteção da Santa, já que nenhum aluno se feriu durante os bombardeios de 1924.
No campo cultural, a escola ainda mantém a "Maratona Cultural" e a "Maratona de Matemática", além de aulas de robótica para crianças e adolescentes.
O conjunto de edifícios do Liceu Coração de Jesus, incluindo sua igreja, é tombado pelo patrimônio histórico, por isso, sua fachada sofreu pouquíssimas modificações ao longo dos anos. 
Além do colégio e do Santuário, o complexo arquitetônico conta também com teatro e pátio esportivo.
O Santuário, que foi construído no estilo renascentista, tem forma de basílica e a mesma planta retangular de sua construção original. o interior, já sofreu diversas modificações, incluindo a construção de um patamar a mais em seus edifícios, assim como pátio interno que já apresentou diferentes configurações.
A grande torre, doação de Conde de Prates. Mede 52 metros de altura, sem contar os 14 metros do pedestal e da estátua. Há na torre um grande relógio com quatro mostradores.
Estátua da torre. doação de Dª Veridiana da Silva Prado, de cobre dourado feita nas oficinas do Liceu, possui 7 metros de altura, obra do arquiteto Domingos Delpiano, salesiano irmão.

Emborra seja um colégio de orientação católica o Liceu não faz restrições a alunos de outras crenças.
Alguns alunos que se tornaram figuras publicas: Carvalho PintoFranco Montoro, Fernando Costa, Fulvio StefaniniGrande OteloJânio QuadrosJosé Carlos PaceLaudo NatelMonteiro LobatoNoite IlustradaSérgio CardosoToquinho, Vicente Feola , Viola.

fontes: wikipedia liceudesaopaulo sscj.org salesianos.
fotos wikipedia sscj.org Unisal Itau cultural  Militão Augusto de Azevedo salesianos.
Fotografia de Militão Augusto de Azevedo datada de 1887, durante a construção do Colégio Sagrado Coração de Jesus .

1924



 Revolução de 1924 área atingida por bombardeio;
 Revolução de 1924 área atingida por bombardeio;







terça-feira, 2 de junho de 2020

Fundação Escola de Comércio 

Álvares Penteado




Fundada em 02 de junho de 1902, a FECAP detém a mais antiga certificação de utilidade pública do Brasil, de 1915,  é uma instituição brasileira de ensino superior, sem fins lucrativos, cujo campo de estudo é gestão de negócios, a instituição também e a pioneira em abrir  cursos de Economia (1934) e Contabilidade (1939) no país.

Com 118 anos de atuação na área de ensino, a FECAP, atualmente, oferece os cursos de graduação: Administração, Ciências Contábeis, Economia, Relações Internacionais, Publicidade, Relações Públicas e Secretariado Executivo Trilíngue. Além disso, a FECAP atua em outras esferas da educação, como colégio, especialização, mestrados em Ciências Contábeis e Administração e Centro de Educação Continuada.

O prédio do Largo São Francisco da FECAP, projetado pelo arquiteto sueco Carlos Ekman, foi tombado pelo patrimônio histórico da cidade de São Paulo em 1992 e hoje, abriga os curso de especialização, teve sua construção iniciada em 1908 e adotou o art nouveau como estética arquitetônica. 

Foi lá que se instalou a primeira escola de contabilidade do Brasil, e onde, mais tarde, se abrigaram os insurgentes da Revolução Constitucionalista de 1932.

Um museu é mantido no  mesmo edifício, com fotos, objetos e documentos diversos, o museu retrata os primórdios da instituição, no início do século XX,  

A FECAP oferece cursos para todas as fases, desde ensino médio até pós-graduação, passando por cursos de extensão e aperfeiçoamento.

O Colégio FECAP criado em  1988, Rua Alagoas, 903 - Higienópolis, tem cursos de Ensino Médio Pleno e de Ensino Médio e Técnico Simultâneos o Ensino Médio pleno tradicional, com as matérias da Base Comum do MEC, e o Técnico Simultâneo mescla as matérias da Base Comum com as matérias técnicas de acordo com o curso escolhido.

A FECAP mantem parcerias internacionais  que consistem em acordos estabelecidos entre a FECAP e universidades estrangeiras como: University of AlabamaUniversity of California at IrvineUniversidad Argentina de la Empresa e University of La Verne.

Mantem também o Teatro FECAP que é um espaço de apresentação de música popular brasileira, e um teatro-estúdio que é utilizado para gravações ao vivo.

Endereços: Largo São Francisco, 19
                   Av. Liberdade, 532
                   Rua Artur Azevedo, 1633 Pinheiros


fontes: wikipedia fecap.br
fotos: Guilherme Gaensly (acervo do Museu Paulista da USP.) Luiz coelho 
Quero Bolsa

1925






























terça-feira, 26 de maio de 2020

Externato Mattoso

Rua dos Trilhos, 1269 - Bairro da Moóca


Fundado em 1910, pelas irmãs Etelvina, a Arlinda e a Marianna da Costa Mattoso,  vindas de Campinas, onde estudavam em um colégio religioso, depois da morte do pai, Francisco da Costa Mattoso, com ajuda de Francisco, irmão mais novo, construíram grande parte do prédio.

Com o crescimento da cidade e a ampliação da rede pública de ensino, a escola, bastante acanhada, não teve como sobreviver e foi desativada na década de 70.

Conta-se que os proprietários do Colégio São Judas propuseram uma parceria, mas as velhinhas desconfiadas, não aprovaram a ideia.
 
 A revolução tenentista de 1924, liderada pelo General Isidoro Dias Lopes, deixou marcas profundas no prédio, pois foi ocupado pelas forças revolucionárias, fazendo as proprietárias se refugiarem em Santo Amaro.

Na revolução de 32, as professoras ajudadas por outras moradoras costurava fardas e auxiliavam os revolucionários paulistas que eram levados até a Estação de trem, no início da Rua da Mooca pelos meninos.

Instalada desde 2005 funciona no mesmo prédio reformado, a Pizzaria Bendita Maria.

fontes: deladeia olharturistico acervo.estadao vejasp historiadesaopaulo
fotos: deladeia acervo.estadao





sábado, 2 de maio de 2020

Casarão José Paulino

Rua Conselheiro Crispiniano, 378 Centro ( Antigo Bairro do Chá)


Projetado e construída em  1893, pelo arquiteto Ramos de Azevedo, a pedido de José Paulino Nogueira, membro de uma família rica de Campinas e um presidente  da Companhia Mogiana de Estradas de Ferro, e foi presidente do Banco Comercial de São Paulo.

Proprietário da "Usina Ester" cuja a denominação e uma homenagem a sua filha.

Politico campineiro muito atuante, principalmente nas áreas de saneamento, e no combate ao surto de febre no final da década de 1890.

Uma das mais ricas mansões paulistanas, era conhecida pelo seu luxo incomparável, tapetes da pérsia e portas e madeiramento em jacarandá, escadarias e piso feito de mármore de Carrara, lustres importados de Paris.
No andar superior quartos suntuosos, com varandas e corredores finamente decorados, no térreo ficavam as grandes Salas de Visitas(3), o Salão Nobre, vasta Sala de Jantar, e o escritório de Jose Paulino.
Ocupado pela família ate a morte do titular em 1915, quando seus filhos decidiram não mais morar no casarão.

O casarão ficou fechado ate 1918, quando a União, comprou dos herdeiros por cerca de 270 contos de reis.
A partir dessa data passou a abrigar o Quartel-General da Zona Militar do Centro, Em 28 de agosto de 1956 (Decreto nº 39.863) foi extinta a Zona Militar do Centro e criado o II Exército com sede em São Paulo e jurisdição sobre o território dos Estados de São Paulo e Mato Grosso.

- Em 7 de maio de 1968 foi inaugurado o edifício destinado ao Quartel-General II do Exército e Quartel-General da 2ª RM;
- Em 6 de junho de 1968, o Quartel-General do II Exército completou sua transferência para as novas instalações, situada na confluência das ruas Abílio Soares e Manoel da Nóbrega, no Ibirapuera e, posteriormente, a via pública defronte ao quartel foi denominada Avenida Sargento Mário Kozel Filho, em homenagem ao soldado do 4º Regimento de Infantaria vitimado em ataque terrorista ao Quartel-General.

O Exercito usou o imóvel por 50 anos, e não fez reformas e restaurações, e em 1968 o colocou a venda pelo valor de um milhão e cem mil cruzeiros. que foi adquirido pela prefeitura, que o demoliu, para ser executado pela EMURB  (Empresa Municipal de Urbanização) um parque que seria concluído com a desapropriação do Cine Cairo no Anhangabaú, o parque foi construído e nomeado em Recanto Monteiro Lobato, mais a área que seria anexada com a desapropriação do cinema nunca ocorreu.

 Em 5 de dezembro de 2012 a prefeitura inaugura a Praça das Artes na Av. São João, 281, e reforma o Recanto Monteiro Lobato integrando as duas obras, passando a funcionar como extensão das atividades do Theatro Municipal de São Paulo.

PS: Ao lado do prédio do tradicional Cine Marrocos.
Em Sua homenagem foi mudado o nome da Rua  dos Imigrantes, um dos principais polos de venda de vestiários no Bairro do Bom Retiro.


fontes: tjsp.jus sãopauloantiga wikipedia
fotos: arcoweb

















terça-feira, 28 de abril de 2020

Avenida São Luís

Consolação

Aberta no início do século XVIII, era apenas um beco, denominado Beco Comprido, e não tem registro de quem autorizou sua abertura.

No mapa de 1810, o mais antigo da cidade aparece sem denominação, já no mapa seguinte, de 1881, da Companhia Cantareira e Esgotosaparece já com nome de Rua de São Luiz.

Batizada em homenagem a Luís Antônio de Sousa Queirós, o conhecido "Brigadeiro Luiz Antonio", um simples  tropeiro, que enriqueceu e se  tornou um dos homens mais ricos de São Paulo na primeira parte do século XIX.

O Luiz se tornou proprietário de muitas terras na cidade, uma de suas propriedades era uma chácara no bairro da Consolação, entre as ruas da Consolação e, Rua 7 de Abril (antiga Rua da Palha) e a Praça da República (antigo Largo dos Curros).

Conta-se que dentro dessa chácara existia uma trilha que no futuro se tornaria o beco, depois rua e avenida.

Com a morte do Brigadeiro em 1819, a chácara da Consolação passou para seu filho, Luís António de Sousa Queirós, o "Senador Queirós".

Embora a propriedade pertencesse a família eles nunca residiram nela, a usavam apenas para algumas temporadas.

Com a morte do Senador em 4 de julho de 1891 a chácara foi dividida e vendida em lotes menores:
Em 1900, Ana Cintra adquire um lote
Em 1910, a Cúria Metropolitana adquire outro e transfere a sede da Arquidiocese para lá, no palácio São Luís.
Em 1920, o Circolo Italiano adquire o lote onde mais tarde seria construído o Edifício Itália.

Em 1944, foi alargada evoluindo para avenida, e na década de 1960, recebeu oficialmente seu nome em homenagem ao santo de devoção do Brigadeiro.
Depois disso a  São Luís se transformaria em uma das mais charmosas de São Paulo, hospedando diversos palácios. 
E a Vila Normanda, 17 antigas mansões que virariam pensões até o dia em que fossem derrubadas entre os anos de 1950 e 1961, e seus lotes verticalizados.
A Biblioteca Mario de Andrade, esta construída onde era a sede da "Chaçará Velha" na esquina da São Luís com a Rua da Consolação/Xavier de Toledo, a mais antiga construção conhecida na antiga propriedade do Barão de Souza Queiroz.
Muito arborizada, cortesia de um barão do império(?) que, ao alargar o Beco Comprido, plantou duas fileiras de jacarandás ali. 

fontes: wikipwdia historiaspaulistanas netleland
fotos: netleland  pinterest descubrasampa

Palácio São Luís, residência do Arcebispo de São Paulo - 1938. Localizava-se na atual Praça Dom José Gaspar, junto a Av. São Luís. Demolido para construção da Biblioteca Municipal Mário de Andrade.
pliniocorreadeoliveira.info

1942


1970

2012

Esquina São Luiz com Ipiranga

sexta-feira, 24 de abril de 2020

Beneficência Portuguesa de São Paulo

 Real e Benemérita Associação Portuguesa de Beneficência

A Real e Benemérita Sociedade Portuguesa de Beneficência, teve sua denominação alterada em comprimento a determinação do novo  Código Civil Brasileiro, em vigor desde janeiro de 2003, que exigia que dentro de um ano as entidades beneficentes adequassem seus estatutos às novas disposições. 
Naquela ocasião verificou-se a necessidade de mudar de "Sociedade" para "Associação" por ser uma instituição totalmente sem fins lucrativos.
A Beneficência Portuguesa foi criada por iniciativa dos pequenos comerciantes portugueses Luís Semeão Ferreira Viana e Joaquim Rodrigues Salazar, aos quais somou-se ainda Miguel Gonçalves dos Reis. 
A fundação oficial da organização benemérita realizou-se a 2 de outubro de 1859 numa reunião na residência do também português Aires Coelho da Silva Gameiro, mais tarde Barão da Silva Gameiro.
Originalmente, a instituição destinava-se à ajuda mútua entre os sócios, membros da comunidade portuguesa de São Paulo. 
Seus estatutos de 1859 especificavam que: 
"Os Portugueses reunidos como membros d'esta Associação tem por objecto contribuir com os meios pecuniários, e zelo munificiente para minorar os males que sobreviverem a qualquer dos associados."
Em seu inicio a instituição contava com 118 sócios, mas em  1864 já eram 290 pessoas, e começaram os preparativos para a construção de uma sede própria.
Em 1873, foi iniciada a construção do Hospital São Joaquim, na rua Alegre (hoje Brigadeiro Tobias). 
A inauguração foi realizada em 1876 e durante sessenta anos esse foi o único edifício da Beneficência.
Projeto do arquiteto português Manuel Gonçalves da Silva Catarino a data do projeto e de 1866 mas só concluído em 20 de agosto de 1876 dia de São Joaquim.
Na década de 1950, tendo José Ermírio de Moraes na presidência,  inicia a construção na Rua  Maestro Cardim o primeiro edifício do novo complexo do Hospital São Joaquim, inaugurado a 16 de junho de 1957.
Entre 1971 e 2008 a Beneficência foi presidida por Antônio Ermírio de Moraes, do Grupo Votorantim. Atualmente é dirigida por Rubens Ermírio de Moraes.
A Associação administra os hospitais: 
  • Hospital de São Joaquim: possui um total de cinco edifícios e uma área total de 143 mil m². Atende anualmente a 300 mil pacientes, 60% dos quais através do Sistema Único de Saúde (SUS).
  • Hospital de São José: inaugurado em 2007 e com uma área total de 23 mil m², foi projetado para ser referência em oncologia, cardiologia, ortopedia e neurologia.
  • Hospital Filantrópico Santo Antônio  - Unidade Penha.
Possui um total de 1.080 leitos, 233 destinados a UTI, 52 salas de cirurgia, além de setores de diagnóstico e ambulatório. Em 2010, realizaram-se 34 mil cirurgias e mais de 4 milhões de exames.
Também é considerada um centro de referência em transplantes. Entre 1973 e 2010, foram realizados 4.050 transplantes de coração, fígado, medula, rim, pulmão, entre outros.
A denominação "Real e Benemérita" foi outorgada por El-Rei Dom Carlos I de Portugal em 22 de novembro de 1900. 
A 1 de Maio de 1947 foi feita Comendadora da Ordem de Benemerência e a 17 de Setembro de 1954 Comendadora da Ordem Militar de Cristo, tendo sido elevada a Grã-Cruz da Ordem de Benemerência a 12 de Outubro de 1959 de Portugal.
Em maio de 2008 recebeu a Medalha de Mérito Oswaldo Cruz, pelo atendimento realizado pela Instituição para o Sistema Único de Saúde (SUS) e em agosto do mesmo ano foi homenageada por sua atuação no terceiro setor, com relevantes serviços prestados à população carente, no 11º Seminário CIEE/Gazeta Mercantil do Terceiro Setor.

fontes wikipedia bp.org livro "Beneficência Portuguesa de Yvone Dias Avelino, Edgar da Silva gomes Márcia Barros Valdívia e Edimilsom Peres Castilho
fotos; Alexandre Possi Guilherme Gaensly José Rosael/Hélio Nobre/Museu Paulista da USP


Fachada da primeira sede

Fachada apos a reforma

Local onde seria construído o Hospital São Joaquim Rua Alegre (atual Brigadeiro Tobias) em 1873.

Atual R. Maestro Cardim, 769 - Bela Vista



Rua Gen. Sócrates, 145 Penha
R. Martiniano de Carvalho, 965 Bela Vista

segunda-feira, 20 de abril de 2020

CONDOMÍNIO:

EDIFÍCIO ALBERTINA, CÍCERO PRADO 

E CECÍLIA

 Mais conhecido como Cícero Prado!

Devido ao destaque localizado na frente do conjunto.

Avenida Rio Branco, 1661,  Campos Elísios.

Um dos mais bonitos edifício de São Paulo.

Construído em 1953  com projeto  e construção do arquiteto ucraniano naturalizado brasileiro Gregori Warchavchik, por encomenda da Companhia Agrícola Cícero Prado, que foi o responsável pela introdução da arquitetura moderna no Brasil, e que projetou fábricas, sinagogas e clubes, como o Pinheiros e o Paulistano, e a Casa Modernista na Vila Mariana. 

Seu formado em "U" garante o sol todas as manhas e uma bela vistas de  ao jardim suspenso sobre a laje da agência bancária ali instalada no andar térreo.

O arquiteto judeu ucraniano,  criou sua própria construtora, em 1953, e esse foi seu primeiro grande trabalho como construtor, e foi um marco nos Campos Elísios .
Warchavchik construiu esta obra com curvas esculturais, composto por três blocos em terreno de 2.060 m2 com área construída de 17.468 m2  e 21 pavimentos, com duas unidades que variam de 90 a 160 m² por andar e há dez elevadores no conjunto. 

O edifício impressiona com seu formato diferenciado e arrojado para a época.

Sua promissora vizinhança infelizmente decaiu  com a degradação do bairro agravada com a mudança da sede do Governo do Estado do Palácio dos Campos Elísios para o Palácio dos Bandeirantes no Morumbi em 1965.

E também com a construção do Viaduto sobre a via férrea ligando a Av. Rio Branco com a Av. Rudge em 1969 a poucos metros dele, e com o declínio do Moinho Central, e a consequente formação da favela do Moinho em 1990.

Tem nas proximidades a companhia dos edifícios da Porto Seguro, e espera as muitas vezes prometidas revitalização da área.



fonte academianacionaldosindico vejasp.abril refugiosurbanos

fotos: google  vejasp.abril pinterest trovit arquivo arq.





domingo, 19 de abril de 2020

Fazenda de Sant' Ana

Também conhecida como Fazenda Tietê ou Guaré


Propriedade da Companhia de Jesus, foi citada pela primeira vez em documentos no ano de 1560 pelo padre José de Anchieta.

Ncaminho de Atibaia e de Minas Gerais a Fazenda de Sant' Ana foi o fruto da colonização portuguesa, sendo assim o mais antigo núcleo de povoamento na cidade ao norte do rio Tietê.

Os colonizadores portugueses trouxeram índios escravos, e se instalaram juntamente com jesuítas, que já haviam montado um colégio para a catequização. 
Foram os jesuítas que trouxeram as primeiras melhorias para a fazenda, como o estabelecimento de alguns centros de plantação e criação de animais. 

Somente a partir de 1673 a Fazenda de Sant'Ana, passou a se desenvolver mais e após meio século os padres organizaram-na convenientemente, tornando-se a principal fazenda suburbana do Colégio de São Paulo dos Campos de Piratininga.

Os jesuítas tornaram a Sant’Ana o cinturão verde de São Paulo. Hortaliças, mandioca, milho e até café foram plantados. Para levar a produção ao centro, canoas cortavam o Rio Tamanduateí, até o desembarque em um porto que ficava na atual Ladeira Porto Geral.

Somente em 1734 sede da fazenda foi construída  ficava onde é hoje o CPOR/SP, na rua Alfredo Pujol, 
Em seu auge a propriedade tinha seus limites a partir das imediações do Jardim da Luz, seguindo o rio Guaré (atual Tietê) até a na divisa com Guarulhos seguindo até o Rio Jundiaí englobando a Serra da Mantiqueira até Mairiporã.

Após 1768, quando Marquês de Pombal determinou a expulsão de todos os jesuítas passou a ser administrada pelo governo da Capitania de São Paulo, daí em diante a fazenda foi sendo dividida e subdividida, surgindo então o núcleo do atual bairro de Santana.

Pelos idos de 1886, seus 84 hectares foram medidos e divididos em uma sesmaria de 68 lotes.

Na antiga sede da fazenda que passou a ser residência para funcionários do Governo Provincial, tanto que em 1821, residiam no Solar dos Andradas, como era chamado o prédio, os conselheiros José Bonifácio de Andrade e Silva e seu irmão Martim Francisco

La  na rua Alfredo Pujol,no ano seguinte o império brasileiro começaria a nascer na sede da fazenda, pois foi ali onde José Bonifácio de Andrada e Silva redigiu a famosa carta do Fico para D. Pedro I, que ajudou na independência do país.

"Dos traços pioneiros da Companhia de Jesus, só resta hoje o endereço, a Rua Alfredo Pujol. Ainda no período colonial, os habitantes concentravam-se ao longo dos caminhos que ficavam onde hoje passa a Rua Alfredo Pujol e a Rua Voluntários da Pátria. Outra trilha, seguia pelo “Caminho do Cemitério”, hoje Rua Dr. César".(semanariozn.com.br)


fontes: archive.org wikipedia
foto:  http://www.cporsp.ensino.eb.br/historico.htm